Tratamento Para Recaídos

Home » Tratamento Para Recaídos
Tratamento Para Recaídos 2017-06-19T19:04:49+00:00

Tratamento para recaídos

O tratamento para dependentes químicos pode ser eficiente e levar à reabilitação do paciente, porém, mesmo nesses casos, não se pode descartar a possibilidade de haver uma recaída.

Quando isso acontece, é preciso dar início ao tratamento para recaídos. A questão é que a singularidade humana é fascinante, porém, isso também exige um trabalho minucioso.

Em outras palavras, por mais que tenha sido oferecido um atendimento profissional, multidisciplinar e, principalmente, personalizado ao dependente, a complexidade da mente pode ser traiçoeira.

Desse modo, determinadas situações pelas quais a pessoa passa, mesmo que esteja reabilitada, podem causar as recaídas.

Além disso, de acordo com a gravidade do vício e dos danos que ele já provocou pode se realmente muito difícil e complicado chegar a uma cura completa.

Por causa de todas essas variáveis, portanto, voltar à reabilitação mais de uma vez é fundamental for quando necessário.

Nesse sentido, é importante dizer que existe a possibilidade ainda do dependente não ter sido enviado para uma clínica capacitada a atendê-lo de forma adequada.

Tratamento para recaídos

Por isso, é de extrema relevância avaliar bem quais as opções existentes para escolher uma instituição que realmente esteja apta a oferecer o melhor tratamento possível a quem precisa.

É necessário dizer também que, ao buscar estabelecimentos que apenas tratem de desintoxicar o organismo do dependente, pode aumentar em muito as chances de haver as recaídas.

Quando o tratamento consiste apenas na desintoxicação, o paciente não é atendimento de forma completa e com qualidade.

Para que haja uma reabilitação verdadeira, é preciso regatar os seus valores, normalmente afetados pelo vício, e reintroduzir a pessoa à sociedade.

Esses são aspectos imprescindíveis que a desintoxicação do organismo não promove sozinha, ainda mais sem o apoio de profissionais qualificados para tratar o psíquico e o emocional do paciente.

Como funciona o tratamento para recaídos

Quando o tratamento para recaídos inicia, é preciso que o paciente passe pelas mesmas etapas do atendimento anterior, que de forma geral compreende as seguintes fases:

  • Desintoxicação intensiva
  • Reabilitação individualizada
  • Conscientização quanto à dependência

Embora haja a necessidade de passar pelo mesmo processo, médicos, terapeutas e enfermeiros que integrarem a equipe do tratamento para recaídos devem conhecer o histórico do paciente e focar o seu trabalho na recaída.

Dessa forma, o mais comum é que o tratamento em si sofra mudanças, inclusive, quando os responsáveis optam por novas abordagens.

Além disso, os profissionais encarregados de avaliar os aspectos comportamentais e emocionais do paciente precisam investigar o que desencadeou a recaída.

Quanto aos profissionais responsáveis pela saúde física do paciente, eles também devem fazer o mesmo, já que o motivo pode ter caráter fisiológico.

Em alguns casos, a equipe multidisciplinar elege atender de forma separada a pessoa que sofreu a recaída, de modo que ela não participe dos mesmos grupos onde estão os dependentes que estão sendo tratados pela primeira vez.

Causas da recaída depois de tratamento para dependentes

Tratamento para recaídos

Existem muitas as razões que podem levar uma pessoa a ter uma recaída depois da sua reabilitação. Como já foi citado, existe a possibilidade de algum fato ou acontecimento desencadear o vício na pessoa ou mesmo quando ela foi tratada por uma instituição que não ofereceu o melhor e nem o adequado atendimento.

Além disso, cabe ressaltar que, em muitos casos, a recaída faz parte da doença do dependente químico, ainda mais quando o problema se torna crônico.

E mais, assim como funciona com o alcoólatra, que nunca deixa de o ser, com a diferença que depois do tratamento ele apenas aprende a controlar o vício, o mesmo acontece com o usuário de drogas.

Isso significa que não existe para o dependente uma dosagem de álcool ou de drogas segura.

O vício vai permanecer no seu organismo, o que a reabilitação proporciona é o controle para não usar mais a substância.

Por isso, se diz que o tratamento é contínuo e para o resto da sua vida.

É uma batalha diária, que com a ajuda certa pode se tornar mais tolerável e, assim, a pessoa pode viver com qualidade e expectativa de uma vida normal.

Como é a manutenção do tratamento para dependentes químicos

Tratamento de dependência química para mulheres

Não raro, as recaídas acontecem porque o paciente não tem o total entendimento da sua condição. Quando não existe a manutenção adequada do tratamento para dependentes químicos, a vontade em usar drogas ressurge e, por consequência, as recaídas são frequentes.

Por isso, é de extrema importância seguir ao pé da letra as recomendações médicas. Em alguns casos, a internação pode se prolongar em regime residencial, mesmo depois que o paciente tenha alta da clínica de reabilitação.

Dessa forma, ele deve receber acompanhamento psicológico e continuar participando dos grupos de apoio.

Esses atendimentos podem permanecer para sempre na sua vida, o que torna necessário adaptá-los à nova vida. A manutenção do tratamento costuma exigir também mudanças na vida do paciente, para evitar as recaídas.

Exemplos são: a pessoa não mais frequentar alguns ambientes e mesmo não manter contato com alguns indivíduos, inclusive, os que estão ligados à época em que era dependente químico.

Ou seja, o paciente deve se manter afastado das chamadas situações de alto risco. Também é essencial que ele esteja confiante, com força de vontade e com a sua autoestima em ordem, elementos fundamentais para a manutenção da reabilitação.

Outro aspecto importante está no âmbito familiar, já que os parentes e pessoas próximas são peças essenciais para o sucesso da reabilitação.

De acordo com cada núcleo familiar, pode ser preciso que mesmo ele seja tratado em conjunto com o paciente, não só quando existem outros casos de dependência, mas também quando o seu comportamento não colabora para a melhora do paciente.

A família deve ainda ser preparada psicologicamente e ter a estrutura necessária até mesmo para receber a pessoa que está se reabilitando. E ainda mais importante é a pessoa sentir-se amada e saber que não está sozinha, pois tem o apoiado dos que estão ao seu redor.

Com isso, fica mais fácil, inclusive, do paciente passar pelo processo de ressocialização, quando é preciso aprender a lidar com as dificuldades por conta própria.