Tratamento de Dependência Química Para Mulheres

Home » Tratamento de Dependência Química Para Mulheres
Tratamento de Dependência Química Para Mulheres 2017-06-29T18:06:35+00:00

Tratamento de dependência química para mulheres

Estudos, levantamentos e a experiência de clínicas de desintoxicação mostram que a dependência química em mulheres possui diferenças marcantes quando o mesmo problema é identificado em homens.

Por isso, hoje em dia, é de extrema importância que haja um tratamento de dependência química para mulheres que seja exclusivo.

Desse modo, é possível trabalhar as suas peculiaridades de modo que os resultados sejam alcançados de forma mais eficiente. Entre as principais diferenças, é possível observar que o sexo feminino associa com mais frequência o uso de substâncias psicoativas à depressão.

E isso não só em relação às drogas como também ao álcool. O alcoolismo, inclusive, é mais visto em mulheres e isso também possui uma explicação.

De qualquer forma, quando o vício está associado à depressão, e o quadro depressivo é inicialmente tratado ou mesmo tratado de forma conjunta com a dependência, são maiores as chances de alcançar os objetivos de melhora.

Isso acontece porque se a origem do vício é primeiramente eliminada, a motivação para a dependência aos poucos deixa de existir. Nesse caso, basta tratar as consequências físicas resultantes do vício.

Nesse contexto, é importante às pessoas próximas e familiares saberem quais são os principais sintomas da depressão em mulheres dependentes.

Com esse conhecimento, torna-se mais fácil diagnosticar o problema. Entre os sinais de depressão que podem levar à dependência química estão, principalmente, a solidão, a tristeza e a ansiedade.

Além disso, outra diferença relevante quando se fala do vício em homens e mulheres é em relação à motivação que ambos possuem para dar iniciar o uso de drogas.

Diferença entre a dependência entre mulheres e homens

Tratamento de dependência química para mulheres

Enquanto os homens, de maneira geral, são motivados a usar substâncias psicoativas por conta dos seus amigos, o maior influenciador da mulher, de maneira genérica, é o seu namorado, companheiro ou esposo.

Acontecimentos traumáticos na vida da mulher, como a morte de entes queridos e mesmo separações, também podem desencadear o abuso do álcool e/ou o uso de drogas e posterior vício.

No caso das drogas ilegais, mais especificamente, problemas de saúde e a pressão profissional são outras razões que podem levar ao uso de entorpecentes. Mas não é só isso, a diferença da dependência química entre mulheres e homens vai além, estendendo-se aos aspectos fisiológicos.

Já que o sexo feminino possui mais gordura corporal em relação à quantidade de água no seu organismo, quantias menores de álcool, por exemplo, já é o suficiente para embriagá-la, tornando-a mais suscetível ao abuso das bebidas alcoólicas.

Além disso, a mulher tem em seu organismo índices menores da chamada enzima álcool-desidrogenase. Essa enzina é a responsável por metabolizar o álcool consumido.

Um potencial menor de metabolizar o álcool significa, mais uma vez, que doses menores afetam mais uma mulher quando comparada a um homem.

Em números, pode-se dizer que as mulheres absorvam 30% mais de álcool do que os homens quando consomem bebidas alcoólicas.

Em outras palavras, é possível resumir que a mulher possui em torno de duas vezes mais chances de se tonar dependentes de álcool e drogas quando em comparação ao sexo masculino.

Por consequência, algumas doenças relacionadas ao abuso de álcool também são mais comuns no sexo feminino, a exemplo da cirrose, da pancreatite e das neuropatias.

Outro resultado desse quadro é a maior mortalidade do sexo feminino associado ao uso de substâncias psicoativas, bem como complicações no parto.

Quando a mulher grávida é dependente, outros problemas comuns são os obstétricos, como a síndrome fetal pelo uso de álcool, que provoca, no recém-nascido, o retardo mental e/ou a sua má formação.

Outra questão relevante é que as mulheres são mais censuradas ao consumirem álcool de maneira excessiva, o que faz com que elas, muitas vezes, o façam às escondidas.

Isso pode, inclusive, prejudicar o diagnóstico, levando amigos e familiares a buscarem ajuda profissional quando a situação já está bem agravada.

Como funciona o tratamento para mulheres

Tratamento de dependência química para mulheres

Por haver diferenças significativas na forma como funciona a dinâmica da dependência química entre mulheres e homens, não só o espaço físico é outro.

Ou seja, a mulheres ocupam salas e quartos separados dos homens que também passam pelo tratamento de desintoxicação, como ainda o tratamento físico e emocional é distinto, de acordo com as necessidades de cada paciente.

De igual forma, entretanto, as mulheres contam com uma equipe médica e de enfermagem altamente qualificada e multidisciplinar, especializadas no tratamento de dependência química para mulheres.

Alguns dos aspectos mais importantes presentes nesse processo são os seguintes:

  • Desintoxicação do corpo
  • Conhecimento da realidade interior da paciente
  • Resgate da sua autoestima e dos seus valores

Mais do que ajudar a paciente a se livrar do seu vício, o tratamento de dependência química em mulheres tem o objetivo de reintegrar a paciente na sociedade.

Essa parte do tratamento é de fundamental importância porque, não raro, o vício afeta de maneira tão profunda a sua vida que, sem a orientação necessária, pode ser impossível a ela viver como antes do vício.

O tratamento para mulher dependente é personalizado, definido após a avaliação médica. Conforme as necessidades de cada paciente, ela é orientada ainda a seguir determinadas etapas, que visam a sua recuperação de forma completa.

Alguns procedimentos são os seguintes:

  • Atendimento médico e nutricional
  • Consultas individuais com psiquiatra
  • Aconselhamento legal
  • Terapia de grupo
  • Terapia ocupacional

Além disso, o tratamento para mulheres pode ser feito com ou sem internação, o que vai depender do grau de dependência da paciente.

Importância do tratamento exclusivo para mulheres

Desde que algumas clínicas de reabilitação aderiram ao tratamento exclusivo para mulheres, é possível observar que os resultados alcançados ao final do mesmo são muito mais duradouros e consistentes.

Isso acontece porque a adesão ao tratamento e a permanência tornam-se maiores por parte das mulheres.

Ou seja, ao sentirem-se mais seguras nas clínicas de reabilitação e recebendo o atendimento adequado, as mulheres ficam mais confiantes e, por consequência, não desistem do fácil.

As taxas de recaída também foram reduzidas ao longo dos últimos anos, quando o tratamento exclusivo tem se mostrado cada vez mais benéfico às mulheres que passam por ele.