Internação Voluntária

Home » Internação Voluntária
Internação Voluntária 2017-06-19T19:06:59+00:00

Internação voluntária

Embora não seja uma regra, o mais comum é que os dependentes químicos por uso de drogas ou álcool tenham que ser internados em uma clínica. Desse modo é possível iniciar um tratamento mais efetivo e até mesmo mais intenso de acordo com as necessidades do paciente e a gravidade do seu quadro.

No entanto, quando é preciso recorrer à internação para realizar o tratamento de dependência é importante saber que existe três modalidades:

Basicamente, é possível dizer que a internação voluntária acontece quando é o paciente quem decide começar o tratamento, ou seja, o atendimento é feito com o seu consentimento. Isso não é possível de fazer quando o paciente está em um estado tão crítico de dependência que até já perdeu o discernimento.

Internação voluntáriaSe isso estiver acontecendo, um terceiro, como um familiar deve solicitar a sua internação. Nesse caso, é feita uma avaliação médica e comprovando a necessidade de tratamento, inclusive, quando há risco de vida para o paciente, bem como para as pessoas ao seu redor, o médico responsável deve informar ao Ministério Publico a situação de internação involuntária.

Por fim, a internação compulsória ocorre quando é a justiça quem decide pela internação. Nessa situação, o indivíduo recebe atendimento mesmo sem o consentimento do paciente ou da sua família, porém, da mesma forma o médico responsável deve avaliar o indivíduo e comprovar a necessidade de internação compulsória. Como se pode imaginar, a modalidade voluntária é a ideal.

Vantagens da internação voluntária

Internação voluntária

A internação voluntária é considerada a ideal para começar o tratamento de dependência química porque ela ocorre quando o paciente tem consciência do seu estado e sabe que é preciso buscar ajuda. Ter essa consciência é uma parte muito importante do tratamento, porque quando a pessoa quer realmente melhorar e mudar de vida as chances de sucesso são potencializadas.

Outra vantagem dessa modalidade de internação é que pelo fato do dependente estar mais aberto para receber a ajuda que precisa, vai tornar o tratamento mais eficiente, ao ser parte chave do mesmo. Ou seja, com o paciente se mantendo comunicativo, falando sobre os seus problemas e experiências vai ajudar a equipe a escolher o atendimento mais adequado.

O tratamento para dependência química e alcoolismo conta com diferentes etapas e em cada um são usadas técnicas de desintoxicação e terapias para não só tratar a saúde e o físico do paciente, como também para restabelecer a sua saúde emocional e psíquica. Desse modo, quando existe o desejo de tratamento por parte do paciente ele colabora até mesmo com a escolha do programa de reabilitação mais adequado conforme as suas necessidades.

Mesmo que a pessoa esteja decidida a buscar ajuda especializada, nem sempre ela realmente coloca isso em prática, podendo adiar a sua decisão. Desse modo, cabe aos familiares e pessoas próximas ajudar ela a ter a coragem necessária, o que pode ser feito com o simples ato de levá-la até uma clínica de recuperação.

Além disso, como chegar até o fim da reabilitação é um caminho que costuma ser longo e árduo, é imperativo lembrar que mesmo com a internação voluntária pode haver uma ou mais recaídas. Isso porque, conforme o grau de dependência, o vício se transforma uma questão física e não mais apenas psicológica.

Mais do que nunca, são nesses momentos que o paciente precisa do apoio das pessoas que ama. Ao sentir que não está só em sua luta, que é diária, ele consegue ter as forças necessárias para tratar o seu vício.

Como funciona a internação voluntária?Internação voluntária

A internação voluntária acontece quando o dependente químico ou alcoólatra, em geral, acompanhado de familiares e amigos buscam por uma clínica para que possa iniciar o tratamento.

Como nos demais modelos de internação, é feita uma minuciosa avaliação física e psicológica para diagnosticar o vício do paciente, bem como os danos que já foram causados.

Escolher uma clínica que ofereça um atendimento de qualidade é fundamental para o sucesso do tratamento. É preciso, para tanto, que a instituição conte com uma equipe multidisciplinar, com profissionais das mais diversas áreas, já que é preciso tratar os aspectos físicos, emocionais, psicológicos e até mesmo jurídicos, quando for o caso.

Recomenda-se que antes de optar pela clínica, seja feita uma visita ao estabelecimento, a fim de conhecer as suas acomodações e instalações. É importante ainda que a pessoa que está buscando ajuda junto ao dependente converse com os profissionais responsáveis para entender como se dará o tratamento.

É importante buscar instituições que priorizem o atendimento personalizado, para garantir o tratamento individualizado do paciente, respeitando as suas peculiaridades.

É preciso também se certificar que a desintoxicação é somente uma parte do tratamento, que deve ainda contar com a reabilitação de modo geral do indivíduo.

Com isso, ele deve conseguir posteriormente voltar para casa, dar os primeiros passos para uma nova vida e se reinserir na sociedade. Para tanto, é preciso dominar as habilidades necessárias, além de estar apto a tomar decisões e reconstruir o que foi perdido ao longo do tempo em que o vício tomou conta da sua vida.

A manutenção do tratamento, que é realizada após a reabilitação do paciente, é mais uma fase de extrema importância, porque nesse momento a pessoa deve evitar as chamadas situações de risco, as quais envolvem frequentar os mesmos lugares e mesmo ver as mesmas pessoas que estão relacionadas ao período em que era dependente.

Essa etapa pode exigir, portanto, adaptações e mudanças na vida da pessoa. Mais uma vez, a força de vontade é essencial, porque como a dependência não possui cura, mas é possível ter o controle do vício, é nesse estágio que a pessoa vai testar o quão eficiente foi o atendimento que recebeu, bem como a sua resposta a ele.